quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Recomeçar!!!



O ano praticamente acabou...e com ele se vai também as vivências...Não as expulso de minha vida não,pelo contrário,as retiro de mim com todo respeito e guardo,pois foram importantes,mas creio que agora chegou o momento de realmente olhar no espelho e fazer a seguinte pergunta: O que eu quero pra minha vida? E através dessa pergunta,muitas respostas começam a surgir na mente nesse momento,isso é um bom sinal.Isso mostra que realmente é hora de mudar muita coisa em mim,e hora retomar a minha caminhada de cabeça erguida,sem se preocupar com isso ou aquilo,se vou consegui agradar esse ou aquele...
Devo me preocupar unica e exclusivamente com o que eu penso e sinto,devo prestar atenção em qual trilha seguir para que não venha cometer os mesmos erros,se eu cair e me machucar,hoje com um pouco de maturidade que tenho vou saber me levantar e seguir em frente,rumo a recomeço...ao meu recomeço de vida e dessa vez não haverá nada e ninguém que me fará parar no caminho.Dia-após-dia venho buscando fortalecimento e equilíbrio,pois já sabia que teria de passar por essa mudança.Se estou pronta ou não,realmente não sei,mas sei que tem que ser assim...
Quero um 2014 sem mágoas,sem revoltas...quero reescrever a minha história nesse ano de um modo muito diferente,com os velhos,novos e verdadeiros amigos,com pessoas que sempre me ajudaram estando longe ou perto de mim..
Um brinde a 2014,e que esse ano seja meu verdadeiro ano!
Um brinde para mim,e para meus projetos!
Um brinde a vida!!!

Feliz 2014!! 

segunda-feira, 18 de março de 2013

30 anos..


Antes dos 30 anos as coisas são diferentes.Claro que há algumas datas significantes,mas fazer  7,14,18 ou 21 anos é subir montanha  acima,enquanto fazer 30 anos é chegar ao primeiro grande patamar de onde se pode mais agudamente descortinar.
Mas fazer 30 anos é mais que um rito de passagem,é um rito de iniciação,um ato realmente inaugural.Talvez haja quem faça 30 anos,outros 25,outros 18,e alguns,nunca..
Na verdade,fazer 30 anos não é para qualquer um.Fazer 30 anos é, de repente descobrir-se no tempo.Antes, vive-se no espaço,e viver no espaço é mais fácil e deslizante,é mais corporal e objetivo.
 Aos 30 já se aprendeu os limites da ilha, já se sabe de onde sopram os tufões e, como o náufrago que se salva, é hora de se autocartografar, já se sabe que o tempo em nós destila..
  Fazer 30 anos é como uma pedra que já não precisa exibir preciosidade, porque já não cabe em preços. É como a ave que canta, não para se denunciar, senão para amanhecer.
  Fazer 30 anos é passar da reta à curva, é passar da quantidade à qualidade, é passar do espaço ao tempo. É quando se operam maravilhas como a um cego em Jericó.
  Fazer 30 anos é mais do que chegar ao primeiro grande patamar, é mais que poder olhar pra trás,  chegar aos 30 é hora de se abismar. Por isto é necessário ter asas, e sobre o abismo voar.

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Dia de Finados!!!



O dia de finados é visto por muitos como uma data triste,onde mantemos o hábito de ir ao cemitério,visitar túmulos de nossos entes queridos,colocamos flores,acendemos velas,etc... 

Mas a  Doutrina Espírita nos esclarece, através dos próprios espíritos, que a vida não termina no túmulo e que, no mais das vezes, estes que julgamos afastados de nós  encontram-se  mais próximos do  que imaginamos.
Assim devemos ter a compreensão que não somente no dia de finados eles precisam de nosso apoio, lembranças e orações; existem espíritos  que se encontram em muita solidão e tristeza porque não tem a lembrança de seus entes queridos. Façamos regularmente orações pelos que se foram antes de nós para a pátria espiritual, como forma de mantê-los vivos em nossos corações e fazer carinho àqueles que não vemos mais.
Os hábitos e crenças das diversas religiões no globo devem ser respeitados e aceitos como válidos para todos que professam àquela crença; Nós, os espíritas, embora respeitemos e aceitemos as crenças de esquecimento ou práticas exteriores, tão comuns neste dia, compreendemos que o verdadeiro respeito e a verdadeira lembrança são as que residem e nossas mentes e corações.

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Crônica do Amor



Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta.O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar.Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco.Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem noódio vocês combinam. Então?Então, que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.Você ama aquele cafajeste. Ele diz que vai e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário. Ele não emplaca uma semana nos empregos, está sempre duro, e é meio galinha. Ele não tem amenor vocação para príncipe encantado e ainda assim você não consegue despachá-lo.Quando a mão dele toca na sua nuca, você derrete feito manteiga. Ele toca gaita na boca, adora animais e escreve poemas. Por que você amaeste cara?Não pergunte pra mim; você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem seu valor.É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar. Independente, emprego fixo, bom saldo no banco. Gosta de viajar, de música, tem loucurapor computador e seu fettucine ao pesto é imbatível.Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém e adora sexo. Com um currículo desse, criatura, por que está sem um amor?Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados.Não funciona assim. Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível.Honestos existem aos milhares, generosos têm às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó!Mas ninguém consegue ser do jeito que o amor da sua vida é! Pense nisso. Pedir é a maneira mais eficaz de merecer. É a contingência maior de quem precisa

(Arnaldo Jabor)

domingo, 15 de julho de 2012

Ensinamentos do Tempo...

Com o tempo,vamos aprendendo que errar é humano e que todos nós erramos.E que as vezes,mesmo certos temos que abaixar a cabeça e pedir desculpas,e que as vezes é preciso ouvir o que as pessoas tem a nos dizer.Com o tempo aprendemos a jogar nessa vida,aprendemos  que cada tombo que levamos,devemos levantar de cabeça erguida e seguir em frente;Aprendemos que nem todas as manhãs são de sol,e que nem sempre tudo na vida é como nós queremos....Com o tempo conhecemos pessoas e descobrimos sentimentos ,com o tempo aprendemos a dar valor a cada segundo que temos,pois aprendemos que em um segundo tudo pode mudar.A vida passa e descobrimos quem são nossos amigos verdadeiros,e as vezes que pessoas desconhecidas nos valorizam mais do que as que estão todos os dias ao nosso lado...Com o passar do tempo,erramos mais ,e também acertamos mais ,e cedo ou tarde aprendemos que temos que aceitar cada um como  é,e que ninguém é melhor do que ninguém.O próprio tempo se encarrega de nos ensinar a viver,e nos dá oportunidades para acertamos,cabe a nós saber fazer as escolhas certas!!!! 



segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Sede Perfeitos

" Amai os vossos inimigos; fazei o bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos perseguem e caluniam. - Porque, se somente amardes os que vos amam que recompensa tereis disso? Não fazem assim também os publicanos? - Se unicamente saudardes os vossos irmãos, que fazeis com isso mais do que outros? Não fazem o mesmo os pagãos? -Sede, pois, vós outros, perfeitos, como perfeito é o vosso Pai celestial. (S. MATEUS, cap. V, vv. 44, 46 a 48.)"

Talvez muitos de nós achamos ser impossível atingir o grau de perfeição,mas o evangelho vem nos mostrar o contrário,nos mostra que todos nós somos capazes de atingir,pois o nosso Pai Celestial nos criou simples e ignorantes para que o alcançemos,mas para isso devemos primeiramente olhar para dentro de nós e buscar identificar nossos defeitos,vicios para que assim possamos gradativamente ultrapassar as barreiras existentes em nosso caminhio.
Nosso Pai com o seu infinito amor nos presenteou com grandes ferramentas para que sejamos auxiliados,que são nossos familiares....
Devemos ter conciência de uma coisa:Que nós não atingiremos a perfeição da noite para o dia,pois isso requer muito esforço e disciplina de nossa parte,até porque muitos de nós passamos encarnações seguidas cometendo o mesmo erro.
 

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Necrológio dos Desiludidos do Amor

Os desiludidos do amor
Estão desfechando tiros no peito.
Do meu quarto ouço a fuzilaria.
As amadas torcem-se de gozo.
Oh quanta matéria para os jornais.
Desiludidos mas fotografados,
Escreveram cartas explicativas,
Tomaram todas as providências
Para o remorso das amadas.
Pum pum pum adeus, enjoada.
Eu vou, tu ficas, mas nos veremos
Seja no claro céu ou turvo inferno.
Os médicos estão fazendo a autópsia
Dos desiludidos que se mataram.
Que grandes corações eles possuíam.
Vísceras imensas, tripas sentimentais
E um estômago cheio de poesia.
Agora vamos para o cemitério
Levar os corpos dos desiludidos
Encaixotados competentemente
(paixões de primeira e segunda classe).
Os desiludidos seguem iludidos,
Sem coração, sem tripas, sem amor.
Única fortuna, os seus dentes de ouro
Não servirão de lastro financeiro
E cobertos de terra perderão o brilho
Enquanto as amadas dançarão um samba
Bravo, violento, sobre a tumba deles.



(Carlos Drummond de Andrade)